Como o tabagismo afeta a cura após a cirurgia?

Tempo de leitura: 4 minutos

Sinto informar, mas se você é fumante e precisa passar por uma cirurgia no pé ou tornozelo, há algumas coisas importantes que você deve saber. Você já sabe, mas o cigarro contém produtos químicos nocivos, incluindo nicotina, cianeto de hidrogênio e monóxido de carbono. Fumar aumenta bastante a chance de que após a cirurgia seus ossos e tecidos não cicatrizem bem. E mais: a área da cirurgia pode infeccionar e você pode ter mais dor, precisando de um período de recuperação maior.

Seu corpo recebe menos oxigênio

O ar que respiramos é preenchido com oxigênio, que é necessário para a maioria das funções do corpo, incluindo a cura após a cirurgia. Em um nível microscópico, produtos químicos encontrados na fumaça do cigarro causam muitas mudanças na maneira como o corpo lida com esse gás. A hemoglobina, a molécula responsável pelo transporte para todo o organismo, não pode carregar tanto oxigênio quanto de costume quando é exposta à fumaça do cigarro. Pequenos vasos sanguíneos no corpo tornam-se estreitos, o que faz com que seja mais difícil para a hemoglobina chegar às áreas onde o oxigênio é necessário.

Seu sangue não flui tão facilmente

Fumar torna o sangue mais espesso, o que faz com que ele não flua tão facilmente através de vasos sanguíneos estreitos. Imagine que seus vasos sanguíneos são uma estrada movimentada de quatro pistas, cheia de caminhões grandes (as hemoglobinas) transportando cargas preciosas (o oxigênio). Quando você fuma, é como se você fechasse duas pistas dessa rodovia e ainda derramasse piche pegajoso na parte da estrada que continua aberta. Isso significa que é muito mais difícil para os caminhões chegarem onde precisam. Ou seja, áreas do seu corpo que precisam de oxigênio – como os pés – podem ficar sem ele.

Seria muito mais difícil para a carga chegar onde precisa ir. Da mesma forma, áreas do corpo que precisam de oxigênio (como seu pé) podem não obtê-lo. Com menos oxigênio, o corpo tem mais dificuldade em curar a pele onde a cirurgia é realizada.

Seus ossos podem não cicatrizar

Se a cirurgia envolver os ossos do pé ou tornozelo, fumar pode impedir que os ossos colem, o que é chamado de não-união. Os fumantes podem ter entre 2 a 10 vezes mais chance de ter problemas de ferida e/ou não-união óssea após a cirurgia.

Seu corpo terá problemas para combater infecções

Produtos químicos na fumaça do cigarro limitam a atividade das células de combate a infecções, chamadas neutrófilos. Neutrófilos são células “guarda-costas”. Eles ajudam o corpo a se livrar de intrusos, como bactérias, antes que elas causem estragos. Sem neutrófilos normais, uma infecção pode se instaurar e pode exigir antibióticos ou até uma nova cirurgia para limpeza local. Novamente, os fumantes têm um risco até quatro vezes maior de infecção após cirurgias no pé do que os não fumantes.

Você pode sentir mais dor depois da cirurgia

Pesquisas recentes mostram que fumantes podem ter mais dor após a cirurgia do que os não fumantes. Os mesmos produtos químicos que já citamos podem aumentar a inflamação e afetar a forma como o corpo interpreta sinais de dor. Isso pode aumentar a quantidade de dor sentida pelos fumantes e fazer com que ela persista por muito tempo, até mesmo depois da cicatrização da ferida.

Esses efeitos são permanentes?

A boa notícia é que pesquisas em outras áreas do corpo mostram que se você parar de fumar antes da cirurgia o risco de complicações diminui! Mesmo que você possa parar de fumar de 4 a 6 semanas antes da cirurgia e enquanto seu corpo está se curando depois do procedimento, você diminui significativamente a chance de ter um problema. Às vezes você pode não ser capaz de esperar seis semanas para fazer uma cirurgia, como quando há uma fratura no tornozelo. Ainda assim, as notícias não são tão ruins, já que algumas pesquisas mostraram que fumantes que não fumam após a cirurgia de fratura têm menos complicações do que aqueles que continuam fumando.

Como posso parar de fumar?

Estudos mostraram que procurar ajuda especializada aumenta a taxa de sucesso em até três vezes em comparação a pessoas que tentaram parar sozinhas. Um médico especialista pode te ajudar neste desafio.

Lembre-se que o tabagismo pode mesmo complicar a sua cirurgia, mas, independentemente disso, ele é um fator de risco geral que você tem o poder de mudar e isso te trará benefícios em muitas outras áreas da sua vida.